Material que revolucionou o frete
de mercadorias no mundo nasceu
de um fracasso

Como foi a
invenção (acidental)
do plástico bolha

Muito usado hoje em embalagens
de objetos frágeis ou estourado como
forma de aliviar o estresse, o plástico
maleável cheio de bolhas só foi
inventado por volta dos anos 1960

Foto Pexels

Foto Unsplash

Antes disso, a melhor maneira
de proteger um item era cercá-lo
de papel jornal, uma estratégia que
não impedia a ocorrência de danos,
além de sujar as mãos e o objeto
com tinta de impressão

O plástico bolha foi uma invenção
de Alfred Fielding, engenheiro
americano, e Marc Chavannes,
químico suíço

Foto Reprodução

Em 1957, eles estavam na verdade
tentando desenvolver “um papel de
parede texturizado capaz de atrair a
florescente geração beat”, movimento
de artistas nos EUA da década de 1950

Foto Unsplash

Foto Unsplash

Para isso, colocaram dois pedaços
de cortina plástica para chuveiro
em uma máquina seladora.
O experimento não teve o resultado
esperado: originou uma camada de
filme plástico repleta de bolhas de ar

Apesar disso, Fielding e Chavannes
registraram a primeira patente
referente ao invento e começaram
a elencar centenas de possíveis
usos para o material

Foto Unsplash

Em 1960, com a intenção
de continuar desenvolvendo
o produto, os inventores fundaram
a empresa Sealed Air Corp.
Começaram a usá-lo como material
para embalar no ano seguinte

Foto Pexels

Foto Reprodução

O grande salto em sua difusão
ocorreu com seu uso pela IBM.
A empresa americana de informática
havia lançado um novo modelo de
computador e precisava de algo para
embalar a máquina para o transporte

Após a adoção do plástico bolha
pela IBM, muitas outras empresas
começaram a usá-lo e o produto
assumiu diferentes tamanhos,
formatos e níveis de resistência
para atender a necessidades variadas

Foto Unsplash

Com as discussões atuais sobre
impacto ambiental do plástico,
alternativas biodegradáveis
ao produto já foram desenvolvidas.
Uma delas, criada no Reino Unido,
é reciclável e feita de papel

Foto Unsplash

Texto
Juliana Domingos de Lima

Arte
Gustavo Balducci

LEIA MAIS

ASSINE O NEXO

Apoie o jornalismo
independente de qualidade
e tenha acesso ilimitado
a conteúdos como esse.