Um mundo entre nacionalismos e cooperação internacional

Ao longo do mês de dezembro, o ‘Nexo’ destaca 20 características do nosso tempo que foram escancaradas em 2020. Este capítulo trata das reações de aproximação e afastamento dos países diante da pandemia

Estamos com acesso livre temporariamente em todos os conteúdos como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos de assinatura. Assine o Nexo.

A pandemia do novo coronavírus é uma crise sanitária na qual líderes nacionalistas conseguiram transformar o vírus em um argumento a mais para mobilizar suas bases político-ideológicas.

Pelo menos desde março, quando a OMS (Organização Mundial da Saúde) decretou oficialmente a existência de uma pandemia, países divergiram sobre fechamento de fronteiras, disputaram compras de insumos vitais e, no fim, entraram numa corrida por acesso aos imunizantes.

A cooperação internacional oscilou. A União Europeia, por exemplo, viveu primeiro um momento de fechamento de suas fronteiras internas, para só depois pôr em funcionamento mecanismos robustos de cooperação econômica.

Fora da Europa, países ricos e influentes, como China e EUA, inseriram a distribuição de insumos em suas estratégias mais amplas de busca de influência política e econômica por meio da diplomacia sanitária, ao distribuir, por exemplo, máscaras e respiradores mecânicos a países mais pobres.

No caso dos EUA, esse protagonismo positivo foi ofuscado pelo envolvimento em episódios de desvios de mercadorias e “pirataria moderna”. Os americanos se engajaram num verdadeiro leilão de insumos, no qual encomendas vitais que passaram por seu território chegaram a ser canceladas ou desviadas de seus destinos originais, permanecendo nos EUA.

Em pleno ano eleitoral, o presidente Donald Trump fez dos ataques à China uma arma de campanha e de mobilização de sua base nacionalista. O republicano passou a referir-se ao “vírus chinês” como forma de antagonizar com seu maior adversário comercial.

A postura de Trump ecoou no Brasil, onde o presidente Jair Bolsonaro também criticou a vacina produzida por laboratórios chineses em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo.

Na Rússia, o presidente Vladimir Putin anunciou a Sputnik-V como o primeiro imunizante eficaz do mundo contra a covid-19, mesmo antes de concluídos os testes. O nome da substância, copiado do primeiro satélite artificial a ser posto em órbita pelos soviéticos, em 1957, foi uma clara referência ao clima de corrida científica e Guerra Fria com os EUA e as demais potências ocidentais.

Abaixo, o Nexo lista cinco conteúdos publicados em 2020 que ajudam a revisitar e entender o assunto.

Como o novo coronavírus cruza política e saúde na China

Deisy Ventura, especialista em saúde global, fala sobre a interseção entre doença e poder nas relações internacionais e os desafios que a epidemia apresenta para o governo chinês

Leia a íntegra

Como o coronavírus reergue fronteiras na Europa

Pandemia faz crescer restrições ao livre trânsito no continente e desafia os limites dos projetos de integração

Leia a íntegra

Como Trump responde ao ‘vírus estrangeiro’

Presidente americano anuncia medidas de contenção da pandemia e apela para união nacional

Leia a íntegra

Como a pandemia afeta a liderança americana no mundo

Com recorde de mortos, um sistema de saúde colapsado e taxas históricas de desemprego, EUA veem se tornar mais frágil uma imagem construída a partir da Segunda Guerra Mundial

Leia a íntegra

A acusação contra os EUA de prática de ‘pirataria moderna’

Franceses, alemães e brasileiros dizem que governo americano desvia cargas médicas usadas para combater o novo coronavírus

Leia a íntegra

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.