A representatividade nas eleições, entre tentativas e avanços

Ao longo do mês de dezembro, o ‘Nexo’ destaca 20 características do nosso tempo que foram escancaradas em 2020. Neste capítulo, mostra o aumento tímido da diversidade na política

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

A baixa presença de mulheres e pessoas não-brancas em cargos políticos é uma realidade em diversos países do mundo. O crescimento de movimentos feministas, antirracistas e LGBTI, no entanto, tem reforçado a pauta no debate político e produzido avanços, mesmo que tímidos, em termos de representatividade.

No Brasil, mudanças recentes na legislação tentam reverter esse cenário, com a criação de cotas para candidaturas e regras de financiamento para equiparar as chances de disputa. Em 2020, o Judiciário obrigou partidos a distribuírem verbas e tempo de TV e rádio de forma proporcional a negros e não-negros.

As urnas registraram um pequeno avanço em relação a 2016. O número de mulheres e de pessoas autodeclaradas negras ou pardas em prefeituras aumentou, mas ainda não representa o retrato populacional do país. Nas capitais, o predomínio entre os eleitos ainda é de homens brancos.

Nas Câmaras Municipais, vitórias simbólicas evidenciaram a baixa representatividade histórica. O número de mulheres não-brancas eleitas para Legislativos locais subiu 23%. Curitiba elegeu a primeira mulher negra como vereadora, Carol Dartora (PT). Belo Horizonte, a primeira mulher trans, com Duda Salabert (PDT), que teve a maior votação da cidade. Em todo o Brasil, 30 candidaturas trans obtiveram vitória, um número quatro vezes maior que em 2016.

A discussão sobre representatividade também foi central nos EUA, onde Kamala Harris foi candidata à vice-presidente na chapa vitoriosa de Joe Biden. Mulher negra e filha de imigrantes, Harris foi peça fundamental na campanha do Partido Democrata que derrotou o republicano Donald Trump. O aumento da diversidade também foi registrado na eleição para o Congresso americano, com acréscimo na representação feminina e a vitória de candidatos LGBTI.

Abaixo, o Nexo lista cinco conteúdos publicados em 2020 que ajudam a revisitar e entender o assunto.

As novas regras do fundo eleitoral para candidatos negros

Às vésperas das eleições municipais, Tribunal Superior Eleitoral instituiu regra que obriga partidos a destinar verbas e tempo de rádio e TV de maneira proporcional entre candidatos negros e brancos

Leia na íntegra

Como questões raciais e de gênero aparecem na eleição municipal

O ‘Nexo’ conversou com uma socióloga e uma cientista política que analisam se o Brasil caminha para avançar na representatividade de negros e mulheres na política

Leia na íntegra

Cansamos de esperar

Reportagem publicada na revista digital Gama mostra como jovens de periferia em diversas cidades do Brasil estão se organizando e incluindo novas pautas para influenciar a agenda política do país

Leia na íntegra

Quem é Kamala Harris, 1ª mulher eleita vice-presidente dos EUA

Senadora filha de indiana e jamaicano já questionou o governo Bolsonaro na área ambiental. Na política americana, ela se alinha a políticos tradicionais

Leia na íntegra

6 pontos sobre as cotas para mulheres na política

Na plataforma Nexo Políticas Públicas, artigo mostra como estudos científicos relacionam a reserva de vagas para lideranças femininas na arena pública e o aumento na implementação de ações e programas de governo alinhados com demandas do eleitorado feminino

Leia na íntegra

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.