Em meio a dificuldades acentuadas, a força da solidariedade

Ao longo do mês de dezembro, o ‘Nexo’ destaca 20 características do nosso tempo que foram escancaradas em 2020. Neste capítulo, resgata o papel da filantropia durante a crise sanitária

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. Este conteúdo é exclusivo para nossos assinantes e está com acesso livre como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Apoie nosso jornalismo. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

Durante a pandemia do novo coronavírus, problemas históricos como a desigualdade social, o baixo financiamento a instituições científicas e os vácuos na implementação de políticas públicas foram evidenciados pela emergência sanitária e seus efeitos. Uma das respostas a esse cenário foi a mobilização da sociedade civil, algo que atingiu uma dimensão inédita no Brasil.

No início da crise sanitária, entre março e maio, o país viveu um boom da filantropia, capitaneado por campanhas de arrecadação, lives beneficentes de artistas e, sobretudo, doações de grupos empresariais. Em dois meses, foram mais de R$ 5 bilhões arrecadados para fundos e instituições.

ONGs atuantes nas mais diversas áreas e regiões do país, assim como organizações de base, foram fundamentais no diagnóstico das prioridades e na realização das ações para garantir que a ajuda chegasse até quem precisava dela. O apoio se materializou de formas mais conhecidas, como a entrega de cestas básicas a famílias carentes, e outras menos difundidas, como a criação de fundos para pesquisas científicas.

Entre maio e agosto, o volume doado mensalmente diminuiu, mas houve um salto no número de pessoas doadoras. Empresas também criaram ou expandiram seus programas internos de apoio ao voluntariado.

Até 2019, o Brasil sempre aparecia na metade mais baixa dos rankings que analisam a força da filantropia em cada país. Agora, marcas e famosos prometem que o engajamento não foi pontual.

Abaixo, o Nexo lista cinco conteúdos publicados em 2020 que ajudam a revisitar e entender o assunto.

Qual o tamanho e o papel da filantropia no Brasil

País está distante do topo em rankings de maiores doadores, mas pandemia mobiliza valores recordes. Maior banco privado da América Latina, Itaú é responsável por quase metade do valor arrecadado na crise

Leia na íntegra

5 ações da sociedade civil para aplacar os efeitos da pandemia

Da aposta em maior autonomia aos atendidos por projetos à geração de renda dentro das próprias comunidades, iniciativas tiveram formatos variados

Leia na íntegra

Todas essas vezes em que eu fui agredido, ameaçado, é porque o diálogo foi rompido’

A Gama conversou sobre desigualdade e condições do diálogo social com o padre Júlio Lancellotti, que há décadas atende os moradores de rua de São Paulo

Leia na íntegra

Engajamento e participação

Glossário do Nexo Políticas Públicasdefine as dimensões conceituais e políticas das noções de mobilização, participação e voluntariado, entre outras

Leia na íntegra

O papel da filantropia no Brasil, agora e no pós-pandemia

Representantes de organizações da área, Neca Setubal, Pedro Abramovay e Rafael Gioielli participaram de debate no ‘Festival Nexo + Nexo Políticas Públicas’

Leia na íntegra

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.