Vulnerabilidade e sobrecarga: o impacto maior sobre as mulheres

Ao longo do mês de dezembro, o ‘Nexo’ destaca 20 características do nosso tempo que foram escancaradas em 2020. Neste capítulo, trata dos efeitos da crise sanitária que levaram a recuos da igualdade de gênero

Estamos com acesso livre temporariamente em todos os conteúdos como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos de assinatura. Assine o Nexo.

    A pandemia do novo coronavírus teve impactos desiguais sobre diferentes grupos da população e reforçou discrepâncias já existentes. A imposição do trabalho remoto e o fechamento das escolas deixou mulheres ainda mais sobrecarregadas para dar conta de atividades domésticas e do cuidado não remuneradas. Aderir à jornada dupla ou tripla, contando com pouca ou nenhuma ajuda, aprofundou os efeitos da crise sanitária.

    A participação feminina no mercado de trabalho no Brasil ficou em 46,3% no segundo trimestre de 2020, a menor em 30 anos, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

    A pandemia também expôs mais pessoas à violência doméstica. Organizações de defesa de direitos das mulheres consideram a casa o ambiente de maior risco para a população feminina. Com o isolamento social, cresceram no Brasil e no mundo os índices de agressão, estupros e feminicídios.

    Na política, houve um pequeno aumento no número de candidatas e eleitas nas eleições municipais, mas apenas 12,2% das prefeituras devem ser assumidas por mulheres em 2021. De 26 capitais em disputa, somente Palmas elegeu uma prefeita.

    Mesmo que primeiras-ministras e chefes de governo tenham ganhado destaque em alguns países por suas ações na pandemia, 2020 mostrou que o avanço na igualdade de gênero é lento e, em tempos de crise, pode recuar.

    Abaixo, o Nexo indica cinco conteúdos publicados em 2020 que ajudam a revisitar e entender o assunto.

    Quais os impactos da pandemia sobre as mulheres

    Sobrecarga de trabalho doméstico, exposição à violência e vulnerabilidade econômica são aspectos exacerbados por isolamento social que indicam a desigualdade de gênero

    Leia na íntegra

    Como a realidade da pandemia pressiona as mães solo

    Mulheres que são as únicas responsáveis pelos filhos estão frequentemente sobrecarregadas, com dificuldades financeiras e têm problemas para acessar o auxílio emergencial

    Leia na íntegra

    Casa não é a mesma coisa que lar (e vice-versa)

    Nesta coluna, a antropóloga Lilia Schwarcz escreve que, em tempo de isolamento social, é justamente no ambiente doméstico que desigualdades e violências ficam mais explícitas

    Leia na íntegra

    Uma janela para quatro mães na quarentena

    A revista Gama conta histórias de mulheres que se aproximaram dos filhos e encontraram caminhos para pequenas vitórias emocionais e familiares

    Leia na íntegra

    A baixa presença de mulheres nas prefeituras sob análise

    Apenas uma capital elegeu uma mulher em 2020, algo que já vinha se repetindo em eleições anteriores. Em números gerais houve um aumento da presença feminina nos Executivos municipais, mas pequeno

    Leia na íntegra

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.