De constantes a imprescindíveis: a vida pelas telas

Ao longo de dezembro, o ‘Nexo’ destaca 20 características do nosso tempo que foram escancaradas em 2020. Neste capítulo, mostra como a convivência online se impôs quando estar fisicamente próximo se tornou um risco

Estamos com acesso livre temporariamente em todos os conteúdos como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos de assinatura. Assine o Nexo.

    Se a década de 2010 consolidou a presença das telas no nosso cotidiano, o ano de 2020 e as imposições da pandemia do novo coronavírus tornaram esses dispositivos indispensáveis.

    Trabalhadores de escritórios do mundo todo tiveram de se adaptar ao home office, saída encontrada pelas empresas para manter suas atividades e preservar a saúde dos funcionários. Estudantes de várias idades passaram a assistir a aulas a distância, um modelo de ensino que, de acordo com especialistas, pode trazer impactos futuros para os alunos, além de acentuar as desigualdades no Brasil.

    Até mesmo a vida social teve que migrar para o ambiente digital. Encontros com amigos acharam seus espaços no mundo online, com plataformas que prometiam levar para as telas experiências próximas da vida pré-pandêmica. Foi online que muita gente achou informação, contato e diversão num período em que atividades de lazer como cinemas e shows deixaram de ser opção.

    Houve aumento significativo no tráfego que passa pela infraestrutura da internet no Brasil. E também a consolidação ainda maior das redes sociais como um espaço de debates de toda natureza – da difusão de memes sobre o isolamento social aos fiscais de quarentena, que se manifestavam contra quem retomava à normalidade. Muitas vezes propagada por governantes, mas catapultada pelas redes, a desinformação sobre o novo coronavírus atrapalhou o combate à pandemia e colocou em risco a população.

    A internet também teve destaque na política mundial. Grandes empresas de tecnologia foram contestadas na Justiça americana de forma inédita. O presidente americano Donald Trump abriu uma disputa contra a rede social chinesa TikTok, que se consolidou em 2020 como um fenômeno entre jovens. E a expansão global da rede 5G fez países se posicionarem num embate geopolítico entre EUA e China.

    Abaixo, o Nexo seleciona cinco textos publicados em 2020 que te ajudam a revisitar e entender esses pontos.

    Somos todos viciados digitais?

    Com os celulares ao nosso alcance quase todo o tempo, a sensação é de que sim – mas nem todos os casos são de dependência extrema e pequenas atitudes podem prevenir esse quadro, mostra reportagem da 'Gama'

    Leia na íntegra

    Por que chamadas de vídeo nos esgotam. E como lidar com isso

    Ferramentas como Zoom, Google Hangouts e Skype se tornaram fundamentais para o trabalho e a vida social durante a pandemia, mas acúmulo de atividades pode ser exaustivo

    Leia na íntegra

    Como as lives se tornaram centrais para os artistas da música

    Em pouco tempo, iniciativas próprias de cantores presos em casa se transformaram em grandes eventos com patrocínio de marcas e arrecadação beneficente de milhares de reais

    Leia na íntegra

    Por que deletar as suas redes sociais, segundo este autor

    Jaron Lanier, cientista da computação entrevistado no documentário ‘O dilema das redes’, é autor de livro que critica as plataformas digitais

    Leia na íntegra

    Contra o isolamento social, uma ilha virtual

    A revista 'Gama' conta com o novo jogo da série Animal Crossing foi na contramão dos grandes títulos de vídeo game e ofereceu uma nova maneira de se relacionar em tempos de quarentena

    Leia na íntegra

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.