A violência e o racismo estrutural, nítidos e contestados

Ao longo de dezembro, o ‘Nexo’ destaca 20 características do nosso tempo que foram escancaradas no ano de 2020. Neste capítulo, mostra que desigualdades raciais ficaram mais expostas e movimentos se fortaleceram

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    No mesmo ano em que a pandemia do novo coronavírus expôs ainda mais as desigualdades sociais e raciais, a violência continuou a fazer vítimas entre a população negra. Esse quadro, porém, passou a ser contraposto por reações cada vez mais assertivas, coordenadas e reverberadas pelo mundo.

    No Brasil, a população negra foi o único grupo em que o número de óbitos pela covid-19 superou o de hospitalizações. O desemprego recorde em meio à crise atinge pretos e pardos de forma mais intensa do que brancos.

    Nomes como os de Emily Victória Silva dos Santos, 7 anos, Rebeca Beatriz Rodrigues dos Santos, 4 anos, e João Pedro Matos, 14 anos, serão lembrados como vítimas de uma política de segurança pública falha e excludente no Rio de Janeiro. Enquanto em Recife a herança escravista que ainda dita relações sociais apareceu na tragédia que tirou a vida de Miguel Otávio Santana da Silva, 5 anos.

    João Alberto Silveira Freitas foi espancando até a morte por dois seguranças em um supermercado em Porto Alegre, na véspera do Dia da Consciência Negra. A reação apareceu nas ruas, e na clareza com que o racismo estrutural foi denunciado.

    As manifestações de luta e resistência ocorreram dentro e fora do Brasil. Protestos contra o racismo tomaram as ruas das principais cidades do mundo após o americano George Floyd ser morto pela polícia em Minneapolis, nos EUA, meses antes da eleição presidencial que derrotou Donald Trump. O episódio reforçou o movimento Black Lives Matter (Vidas negras importam) iniciado ainda em 2013.

    As reações são resultado de décadas de trabalho de movimentos organizados, num esforço que envolve também a busca por maior visibilidade do pensamento negro no debate público, assim como a inclusão via iniciativas empresariais e políticas.

    Abaixo, o Nexo lista cinco conteúdos publicados em 2020 que ajudam a revisitar e entender o assunto.

    5 pontos sobre raça, lugar e desigualdades em saúde

    O que é densidade racial? Como a distribuição de grupos étnico-raciais no espaço pode explicar diferenças no acesso à saúde? Conheça o conceito e veja o que dizem as pesquisas neste material do ‘Nexo Políticas Públicas’

    Leia na íntegra

    A reinvenção contínua da morte para corpos negros

    À ‘Gama’, a escritora Conceição Evaristo escreve sobre a morte do menino João Pedro durante operação policial carioca e o genocídio de pessoas negras no Brasil

    Leia na íntegra

    ‘Não dá para falar de democracia sem falar da questão racial’

    Ao ‘Nexo’, o professor Silvio Almeida analisa a onda de protestos contra violência policial e racismo nos EUA, e comenta a relação dos atos americanos com manifestações brasileiras

    Leia na íntegra

    Dia da Consciência Negra: o estado da questão racial no Brasil de 2020

    O ‘Nexo’ falou com uma historiadora e um sociólogo sobre os principais temas que marcaram o debate sobre raça ao longo do ano

    Leia na íntegra

    O crescimento de assassinatos de negros em uma década

    Dados do Atlas da Violência referentes aos anos de 2008 a 2018 mostram como os homicídios atingem a população de forma desigual

    Leia na íntegra

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.