Profissão

Como me tornei atriz. E a vida entre palcos, sets e aulas

‘Cultura é a memória de um país. E eu não abandono isso nunca, porque eu acredito na potência que é a arte’

Nani de Oliveira começou a vida profissional na pedagogia, dando aulas para crianças em Ribeirão Preto, interior de São Paulo. Chegou a implementar o teatro amador como ferramenta pedagógica em sala de aula – até que escolheu se profissionalizar como atriz.

Para isso, na década de 1990, mudou-se para São Paulo e ingressou no Célia Helena Centro de Artes e Educação. Há nove anos, é coordenadora do curso técnico profissionalizante da mesma escola, que hoje oferece cursos para crianças e adolescentes, além de graduação, pós-graduação e mestrado. Nani também dá aulas para jovens, adultos e idosos, principalmente em técnicas de construção de personagens.

A atriz foi uma das fundadoras do grupo de teatro Folias, responsável por uma sala de espetáculos, ensaios e encontros em Santa Cecília, centro de São Paulo. Nani também já atuou em filmes, curtas-metragens e séries televisivas. Entre seus trabalhos mais conhecidos, estão a série “Carcereiros”, de 2017, inspirada na obra de Drauzio Varella, o filme “O Escaravelho do Diabo”, de 2016, e a série “Carandiru, outras histórias”, de 2005.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.