Ir direto ao conteúdo
Profissão

Como me tornei dentista. E a vida entre consultórios e pacientes

Foto: Divulgação

‘Nada resiste ao trabalho, e nada mais prazeroso do que o sorriso e o reconhecimento de um paciente feliz.’

Nelly Sanseverino formou-se em odontologia pela Universidade de Santo Amaro em 1986. De lá para cá, colecionou cursos e especializações técnicas, além de ter montado sua própria clínica em São Paulo, onde atende seus pacientes.

É especialista em ortodontia, ortopedia Facial, disfunção temporo-mandibular e dor orofacial. Fez mestrado pela USP (Universidade de São Paulo) e doutorado pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).

Ao longo da carreira, viu serem desenvolvidas uma série de tecnologias que mudaram de forma significativa a profissão a que se dedica há mais de três décadas. Para quem pensa seguir os passos de Nelly na odontologia, ela indica: “não queira pular etapas, faça cursos, se especialize e respeite a curva de aprendizado!”.

Nesta entrevista, ela fala sobre sua trajetória profissional e sobre as diferenças entre expectativa e realidade desde que se formou.

Como você chegou a essa carreira? O que te motiva? Por que você a escolheu?

Nelly Sanseverino  Minha escolha em fazer odontologia surgiu da vontade de cuidar dos outros. Sempre gostei da área biológicas e ser dentista poderia conjugar as duas coisas.

Como sua formação está presente no trabalho que você faz hoje?

Nelly Sanseverino  Presente em tudo! Eu acredito que somos resultado de nossas vivências, e a cada dia você se transforma em alguém diferente. Na área médica, quanto mais tempo de trabalho, mais experiência você acumula para conseguir melhores diagnósticos e consequentemente melhores resultados nos tratamentos.

O que mudou entre a sua expectativa e a realidade?

Nelly Sanseverino  A minha expectativa em relação a minha profissão sempre foi muito alta, pois sempre investi muito em conhecimento e aprimoramento técnico científico, esperando com isso a excelência na hora de tratar meus pacientes. Entretanto, a mudança tecnológica trouxe perspectivas para os tratamentos odontológicos que eu jamais poderia sonhar.

Quem diria, 30 anos atrás, quando eu me tornei especialista em ortodontia e ortopedia facial, que hoje eu estaria fazendo os planejamentos e tratamentos ortodônticos todos computadorizados, com alta qualidade e conforto para meus pacientes? A tecnologia de tratamentos com alinhadores  transparentes e removíveis, por exemplo, trouxe mudanças importantes na nossa área. Portanto as minhas expectativas se superaram... E muito!

Qual a maior dificuldade da profissão que você escolheu? E qual o melhor aspecto?

Nelly Sanseverino Acho que na minha profissão a maior dificuldade é se inserir no mercado de trabalho e conquistar pacientes que confiem em nós. Porém nada resiste ao trabalho, e nada mais prazeroso do que o sorriso e o reconhecimento de um paciente feliz. Para mim o melhor aspecto é ser uma profissional liberal e poder administrar meu tempo da forma que mais me convier.

O que você diria para alguém que está pensando em trabalhar como dentista?

Nelly Sanseverino É uma profissão maravilhosa, mas que exige investimento profissional. Não queira pular etapas, faça cursos, se especialize e respeite a curva de aprendizado! Trabalhe com prazer e sem ansiedade... Nada de certo acontece na hora errada.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

Mais recentes

Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!