Profissão

Como me tornei quadrinista. E a vida entre ilustrações

Foto: Rafael Roncato

A formação em artes plásticas foi importante para romper padrões nas histórias em quadrinhos, segundo Marcelo D’Salete

O paulistano Marcelo D’Salete é quadrinista, mestre em história da arte pela USP e professor de artes plásticas no ensino médio e fundamental. Começou publicando quadrinhos nas revistas Quadreca e Front, em 2001, e sua graphic novel de estreia é “Noite Luz” (Vila Lettera, 2008), lançada no Brasil e na Argentina. Ele também é autor de “Cumbe” (Veneta, 2014), que trata do período colonial e da resistência negra à escravidão, publicado em Portugal, França, Áustria, Itália e Estados Unidos.

Nos quadrinhos, D’Salete combina ficção com a pesquisa em documentos históricos, e propõe novas leituras ao revisitar passagens da história do país. Seu livro mais recente, “Angola Janga” remonta às últimas décadas do Quilombo dos Palmares, em Alagoas, em uma narrativa sob a olhar de protagonistas negros. A graphic novel, publicada pela editora Veneta, é resultado de 11 anos de trabalho.

Graduado em artes plásticas, o autor transita pelo universo do design gráfico, dos quadrinhos e das ilustrações. Para ele, uma das melhores partes da profissão é o contato com leitor. Leia, nesta entrevista, mais sobre a trajetória de D’Salete nas HQs.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.