Profissão

Como me tornei médica infectologista. E a vida entre pacientes e hospitais

Foto: Arquivo pessoal

Ela passou pela organização Médicos Sem Fronteiras e vacinou indígenas no Xingu antes de escolher sua especialidade

Ainda na faculdade de medicina, Sumire Sakabe vacinou a população indígena do Xingu e trabalhou no Programa Universidade Solidária de Ruth Cardoso, na Bahia e no Pará. Depois, atuou na organização Médicos Sem Fronteiras, no Sudão. Conheça a trajetória da médica infectologista, que trabalha atualmente no Centro de Referência em DST/Aids de São Paulo, suas dificuldades e motivações.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Exclusivo para assinantes

Tenha acesso a todo o nosso conteúdo, incluindo expressos, gráficos, colunistas, especiais, além de newsletters exclusivas com curadoria da redação. Apoie o jornalismo independente brasileiro de qualidade.
Assine o Nexo.