Escândalo do MEC: das suspeitas de propina à prisão do ex-ministro

Milton Ribeiro é preso preventivamente em operação da PF que investiga possível esquema de corrupção no Ministério da Educação, o que ele nega. Entenda o caso que revelou um ‘gabinete paralelo’ de pastores evangélicos

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O ex-ministro da Educação Milton Ribeiro foi preso preventivamente nesta quarta-feira (22) numa operação da Polícia Federal que apura suspeitas de corrupção e tráfico de influência na liberação de verbas do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) no governo Bolsonaro. A investigação teve início após a revelação em março de que dois pastores evangélicos sem cargo oficial atuavam como um “gabinete paralelo” no ministério e, segundo relatos de prefeitos, pediam propina em troca da liberação de recursos públicos. Os religiosos também foram presos. Os envolvidos negam ilegalidades. O “Durma com essa” relembra o escândalo, que volta à tona a cerca de três meses da eleição. O programa também tem participação do redator Cesar Gaglioni, que fala sobre o caso da procuradora-geral agredida por um colega no município de Registro, em São Paulo, e do repórter especial João Paulo Charleaux, que comenta o papel da base naval de Kaliningrado na guerra na Ucrânia.

    Assine o podcast: Spreaker | Apple Podcasts | Deezer | Google Podcasts | Spotify | Outros apps (RSS)

    Edição de áudio Gabriela Bernd

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.