O futuro incerto do monitoramento do desmate no Cerrado

Programa do Inpe focado na região ficará sem verbas em abril, e instituto busca recursos para mantê-lo. Ameaçado pelo avanço da agricultura, bioma é fundamental para a segurança hídrica do país

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Mantido até agora com recurso de um convênio internacional, o programa que monitora o desmatamento do Cerrado no Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) ficará sem verba a partir de abril, e ambientalistas temem um apagão de dados sobre a região. O diretor do Inpe, Clezio de Nardin, disse à CNN Brasil que a vigilância será mantida, mas ainda não garantiu recursos para isso. O “Durma com essa” desta quarta-feira (12) fala sobre a devastação recente do bioma, a relação problemática do governo Bolsonaro com a divulgação de dados de desmatamento, e a importância do Cerrado para o resto do país. O redator Estêvão Bertoni comenta a hipótese de que a ômicron possa sinalizar o fim da pandemia de covid-19, e o repórter especial João Paulo Charleaux fala sobre as leis que tentam restringir o acesso ao voto nos EUA.

    Material de referência:

    • Entrevista com a bióloga Mercedes Bustamante no podcast Cientistas do Brasil que você precisa conhecer

    Assine o podcast: Spreaker | Apple Podcasts | Deezer | Google Podcasts | Spotify | Outros apps (RSS)

    Colaborou Deisi Witz

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.