Como a idade dos ministros do Supremo é usada politicamente

Comissão da Câmara aprova PEC que antecipa aposentadoria compulsória de integrantes do tribunal. Se avançar, proposta abre espaço para mais indicações de Bolsonaro

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    A idade dos ministros do Supremo virou discussão nesta quarta-feira (24) em Brasília. Na véspera, a Comissão de Constituição de Justiça da Câmara aprovou uma proposta que reduz de 75 para 70 anos o momento de aposentadoria compulsória de integrantes do tribunal. Se passar como está, o texto garante ao presidente Jair Bolsonaro mais indicações à corte, além dos dois que ele já escolheu. O “Durma com essa” explica como a idade dos ministros é (e já foi) usada politicamente. O programa também traz a participação do redator Cesar Gaglioni, que fala sobre os bugs tecnológicos das prévias do PSDB, e do repórter especial João Paulo Charleaux, que comenta a sucessão na Alemanha.

    Assine o podcast: Spreaker | Apple Podcasts | Deezer | Google Podcasts | Spotify | Outros apps (RSS)

    Colaborou Roberto Soares

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.