O cerco do YouTube aos antivacina. E os riscos da desinformação

Empresa anuncia que vai remover vídeos com conteúdo falso sobre qualquer tipo de imunizante, e não só relacionado à pandemia. ‘Vítima do próprio sucesso’, cobertura vacinal tem caído no Brasil

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

O YouTube anunciou nesta quarta-feira (29) uma nova política de remoção de vídeos que propagam desinformação sobre saúde pública. A partir de agora, estão proibidos todo tipo de conteúdo antivacina, e não só aqueles que disseminam notícias falsas sobre o imunizante contra a covid-19. O “Durma com essa” fala sobre o contexto em que a medida é anunciada e os efeitos da desinformação relacionada à vacinação. Participam também do programa a redatora Fernanda Boldrin, que comenta a agenda do presidente Jair Bolsonaro na semana em que seu governo completa 1.000 dias, e do repórter especial João Paulo Charleaux, que fala sobre o futuro primeiro-ministro do Japão.

Assine o podcast: Spreaker | Apple Podcasts | Deezer | Google Podcasts | Spotify | Outros apps (RSS)

Colaborou Roberto Soares

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.