As investidas negacionistas do dono da Havan na pandemia

Chamado para depor na CPI da Covid, Luciano Hang ataca o isolamento social, fez lobby para empresas privadas comprarem vacinas e dissemina desinformação sobre tratamento precoce

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Nesta segunda-feira (27), o empresário Luciano Hang, fundador e proprietário da rede de lojas Havan e apoiador do presidente Jair Bolsonaro, postou um vídeo em que aparece com os braços algemados. A gravação é uma referência à hipótese de ele ser preso durante seu depoimento à CPI da Covid, marcado para quarta-feira (29). Hang foi convocado para depor sobre seu envolvimento em um esquema de disseminação de notícias falsas e desinformação sobre a covid-19 e sobre suspeitas de que alterou os registros médicos da sua mãe, Regina Hang, morta em fevereiro em um hospital da Prevent Senior. O “Durma com essa” mostra a trajetória do empresário e o que esperar de seu depoimento no Senado. O programa traz também a redatora Mariana Vick falando sobre pelos ataques à deputada Tabata Amaral (PSB-SP) e o repórter especial João Paulo Charleaux comentando o resultado da eleição na Alemanha.

    Assine o podcast: Spreaker | Apple Podcasts | Deezer | Google Podcasts | Spotify | Outros apps (RSS)

    Colaborou Roberto Soares

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.