Outro recorde de fogo na Amazônia. E o alerta para a estação seca

Junho registra maior número de focos de calor para o mês desde 2007, segundo monitoramento do Inpe. Pesquisadores afirmam que clima e desmatamento podem intensificar temporada de queimadas em 2021

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    A Amazônia registrou 2.308 focos de incêndio em junho, o maior número para o mês desde 2007, segundo o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Os dados vêm depois de um mês de maio que também foi recorde, e preocupam por precederem a temporada do fogo em agosto, estação seca na qual queimadas se tornam mais comuns na região. O “Durma com essa” traz os números mais recentes, explica a diferença entre queimadas e incêndios e sua relação com o desmatamento, e mostra as medidas adotadas pelo governo federal, alvo de críticas de ambientalistas. O episódio também tem a participação da redatora Fernanda Boldrin, que comenta o depoimento de Luiz Paulo Dominguetti na CPI da Covid, e do repórter especial João Paulo Charleaux, que fala sobre a onda de calor no Canadá.

    Material de referência:

    Assine o podcast: Spreaker | iTunes | Google | Spotify | Deezer | Outros apps (RSS)

    Colaborou Roberto Soares

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.