O que muda com a aprovação de uso da Coronavac na OMS

Organização Mundial da Saúde dá aval emergencial para vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac. Produzido no Brasil pelo Instituto Butantan, imunizante representa maior parte das doses aplicadas na campanha nacional

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte de nossos conteúdos são exclusivos para assinantes, mas esta seção é de acesso livre sempre. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

A OMS (Organização Mundial da Saúde) aprovou nesta terça-feira (1º) o uso emergencial da Coronavac, vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e produzida no Brasil pelo Instituto Butantan. É a quinta autorização do tipo dada pela entidade, que reconheceu que o imunizante cumpre padrões internacionais de eficácia e segurança. O “Durma com essa” trata dos possíveis efeitos do anúncio da OMS. O programa também traz o redator Marcelo Roubicek, que fala sobre os resultados do PIB no primeiro trimestre de 2021, e o repórter especial João Paulo Charleaux, que comenta a mudança na contagem de mortos por covid no Peru.

Assine o podcast: Soundcloud | iTunes | Google | Spotify | Deezer | Outros apps (RSS)

Colaborou Mauricio Abbade

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.