A desigualdade ‘escandalosa’ na vacinação mundial

Com 15% da população global, nações ricas compraram 45% das doses de imunizantes contra a covid-19 disponíveis. Diretor-geral da OMS alerta que ‘um pequeno grupo de países controla o destino do planeta’

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte de nossos conteúdos são exclusivos para assinantes, mas esta seção é de acesso livre sempre. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

O diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Adhanom, alertou nesta segunda-feira (24) para os riscos da vacinação contra a covid-19 seguir concentrada nos países de alta renda. “A crise das vacinas é uma desigualdade escandalosa que está perpetuando a pandemia”, disse ele, no discurso de abertura da Assembleia Mundial da Saúde, evento que reúne representantes de Estados-membros da OMS. Ele pediu que o consórcio Covax Facility, criado para garantir a distribuição de vacinas a países pobres e em desenvolvimento, seja priorizado por farmacêuticas e governos. O “Durma com essa” fala sobre as desigualdades na distribuição mundial de imunizantes, que levam a distorções como o turismo da vacina. O episódio também tem a participação do redator Marcelo Roubicek, que comenta um estudo sobre as alternativas de programas sociais no Brasil após o auxílio emergencial, e do repórter especial João Paulo Charleaux, que fala sobre o desvio de um avião no espaço aéreo da Belarus a pedido do governo do país.

Assine o podcast: Soundcloud | iTunes | Google | Spotify | Deezer | Outros apps (RSS)

Colaborou Mauricio Abbade

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.