A aprovação definitiva da vacina da Pfizer no Brasil e seus impactos

Autorização abre espaço para compras pelo setor privado, algo que o Congresso pretende regular. Governo ganha opção para tentar acelerar imunização, que ainda não chegou a nem 3% da população

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte de nossos conteúdos são exclusivos para assinantes, mas esta seção é de acesso livre sempre. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) anunciou nesta terça-feira (23) a aprovação definitiva da vacina da Pfizer. Os dois imunizantes que vêm sendo aplicados no Brasil contra a covid-19, a Coronavac e a vacina de Oxfod, têm apenas autorização emergencial para uso pelo setor público. No caso da Pfizer, a medida abre espaço para que laboratórios particulares comprem o produto, algo que o Congresso ainda pretende regular. O “Durma com essa” explica os impactos da decisão da Anvisa e mostra como o governo federal patina na obtenção de doses em meio a uma pandemia que já matou quase 250 mil pessoas no Brasil. O programa traz ainda o redator Estêvão Bertoni falando sobre a pressão sobre as UTIs pelo país e o repórter especial João Paulo Charleaux comentando o plano de relaxamento de restrições do Reino Unido diante da melhora local da crise sanitária.

Assine o podcast: Soundcloud | iTunes | Google | Spotify | Deezer | Outros apps (RSS)

Colaborou Mauricio Abbade

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.