O estigma e o histórico na psiquiatria da eletroconvulsoterapia

Nomeação de médico para cargo no Ministério da Saúde traz à tona a evolução de procedimento que usa eletrochoque para tratar transtornos mentais graves

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte de nossos conteúdos são exclusivos para assinantes, mas esta seção é de acesso livre sempre. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

O médico Rafael Bernardon Ribeiro foi nomeado na quinta-feira (18) para o cargo de coordenador-geral de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas, do Ministério da Saúde. A notícia ganhou repercussão por Ribeiro ser defensor da eletroconvulsoterapia, tratamento que usa descargas elétricas no cérebro para tratar casos graves de esquizofrenia e depressão. O procedimento é uma evolução do eletrochoque, que têm um histórico violento na psiquiatria. O “Durma com essa” fala sobre os usos e a evolução do procedimento, hoje considerado seguro e eficiente na comunidade médica. O programa traz também a participação da redatora Fernanda Boldrin, que comenta o debate sobre liberdade de expressão suscitado pela prisão do deputado Daniel Silveira, e do repórter especial João Paulo Charleaux, que fala sobre o regime político da Singapura.

Assine o podcast: Soundcloud | iTunes | Google | Spotify | Deezer | Outros apps (RSS)

Colaborou Mauricio Abbade

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.