Como entidades de professores lidam com a volta às aulas em SP

Profissionais da rede estadual começam greve no mesmo dia em que escolas retomam atividades presenciais de novo ano letivo. Governo afirma que vai descontar salário de trabalhadores

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte de nossos conteúdos são exclusivos para assinantes, mas esta seção é de acesso livre sempre. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    A rede estadual de ensino em São Paulo começou na segunda-feira (8) o ano letivo de 2021 com escolas abertas, com presença de 35% dos alunos, num esquema de rodízio. O Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de SP) iniciou greve no mesmo dia, e orienta os profissionais a dar aulas apenas de forma remota. O governo estadual afirmou que deve acionar a Justiça e descontar faltas dos salário dos professores. O “Durma com essa” mostra os entraves do retorno às salas de aula durante a pandemia. O programa também traz participação do redator Marcelo Roubicek, que comenta a pressão sobre o governo federal em torno do preço dos combustíveis, e do repórter especial João Paulo Charleaux, que fala sobre a eleição presidencial no Equador.

    Material de referência:

    Assine o podcast: Soundcloud | iTunes | Google | Spotify | Deezer | Outros apps (RSS)

    Colaborou Mauricio Abbade

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.