A eficácia da vacina russa. E a possibilidade de uso no Brasil

Dados de desempenho da Sputnik V contra a covid-19 foram publicados. Anvisa afirma que ainda não recebeu documentação necessária para aprovação emergencial do imunizante

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte de nossos conteúdos são exclusivos para assinantes, mas esta seção é de acesso livre sempre. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

A revista científica The Lancet, uma das mais respeitadas do mundo, publicou nesta terça-feira (2) os dados de eficácia da Sputnik V, vacina contra covid-19 desenvolvida pelo instituto russo Gamaleya. Segundo os resultados preliminares, o imunizante tem eficácia de 91,6% contra a doença. O governo brasileiro tenta viabilizar o uso emergencial da Sputnik, mas há entraves, como mostra o “Durma com essa”. O programa traz ainda o repórter especial João Paulo Charleaux comentando o descontrole da pandemia em Portugal e o redator Cesar Gaglioni falando sobre o maior vazamento de dados da história nacional.

Assine o podcast: Soundcloud | iTunes | Google | Spotify | Deezer | Outros apps (RSS)

Colaborou Mauricio Abbade

ESTÁ ERRADO: O programa se refere à vacina russa Sputnik V como Sputnik cinco. Na verdade, é Sputnik vê, com v de vacina.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.