Com rodízio, desigual e em disputa: o início do ano letivo em 2021

Estados começam aulas em meio a alta de contágio da covid-19 e pressão de sindicatos. Em São Paulo, retomada começou na rede privada, e vai combinar ensino remoto e presencial

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte de nossos conteúdos são exclusivos para assinantes, mas esta seção é de acesso livre sempre. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

Escolas privadas do estado de São Paulo deram início ao ano letivo de 2021 nesta segunda-feira (1º). A volta acontece com protocolos sanitários e com apenas 35% da ocupação das salas, com um modelo de rodízio em que alunos se revezam entre o ensino presencial e a distância. O formato deve ser adotado também na rede pública estadual a partir de 8 de fevereiro e na municipal da capital paulista no dia 15. Outros estados e cidades planejam retornos híbridos, ou totalmente remotos, entre fevereiro e março, enquanto sindicatos de professores alertam para o risco de contágio, ameaçam greve e defendem a prioridade de trabalhadores da educação na campanha de vacinação. O “Durma com essa” trata do início do ano letivo, dez meses após o fechamento das escolas no Brasil devido à pandemia. O programa também traz a participação do redator Marcelo Roubicek, que comenta a pressão de donos de restaurantes pela flexibilização da quarentena em São Paulo, e do repórter especial João Paulo Charleaux, que fala sobre o golpe de Estado em Mianmar.

Assine o podcast: Soundcloud | iTunes | Google | Spotify | Deezer | Outros apps (RSS)

Colaborou Mauricio Abbade

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.