A volta da quarentena em BH. E a resistência a restrições

Diante de agravamento da pandemia, capital mineira proíbe abertura de comércio não essencial e adota medidas similares às do início da crise. Pelo país, é forte a pressão contra novos fechamentos

Estamos com acesso livre temporariamente em todos os conteúdos como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos de assinatura. Assine o Nexo.

    Belo Horizonte começou a impor na segunda-feira (11) uma nova quarentena, nos moldes da decretada em março de 2020. Comércio e serviços não essenciais da capital mineira, como shoppings, salões de beleza e academias, foram proibidos de funcionar. No mesmo dia, o prefeito Alexandre Kalil foi alvo de protestos. O “Durma com essa” fala sobre a resistência de setores econômicos e de parte da população a novas medidas que restringem a circulação nas cidades brasileiras, diante de um aumento de casos e mortes pela covid-19. O programa também traz a participação do redator Estêvão Bertoni, que fala sobre o novo colapso da saúde em Manaus, e do repórter especial João Paulo Charleaux, que comenta o bloqueio ao aplicativo Parler e o cerco político dos democratas ao presidente Donald Trump no fim de seu mandato.

    Assine o podcast: Soundcloud | iTunes | Google | Spotify | Deezer | Outros apps (RSS)

    Colaborou Mauricio Abbade

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.