O breque às seringas. E a falta de pressa de Bolsonaro na pandemia

Presidente decide suspender a compra de insumos para a vacinação contra o novo coronavírus até que os preços ‘voltem à normalidade’. Falta de planejamento do governo é criticada por especialistas e pode deixar o país sem estoque

Estamos com acesso livre temporariamente em todos os conteúdos como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos de assinatura. Assine o Nexo.

    Nesta quarta-feira (6), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o Ministério da Saúde decidiu suspender a aquisição de seringas para a vacinação contra o novo coronavírus até que os preços “voltem à normalidade”. A declaração é dada após uma tentativa frustrada do governo de adquirir insumos junto à indústria nacional. De acordo com especialistas, a pasta deveria ter se preparado com antecedência para adquirir os itens. Agora, o Brasil corre o risco de repetir a situação do início da pandemia, quando não conseguiu adquirir respiradores e itens de proteção individual porque eles ficaram em falta no mercado. O “Durma com essa” fala sobre o atraso na compra de insumos para a vacinação no país e o desempenho do presidente no combate à covid-19. O podcast também traz a participação do redator Marcelo Roubicek, que explica por que a economia do Brasil não está “quebrada”, e do repórter especial João Paulo Charleaux, que explica como Donald Trump e seus apoiadores transformaram a contagem de votos no Congresso americano numa encruzilhada para a democracia.

    Assine o podcast: Soundcloud | iTunes | Google | Spotify | Deezer | Outros apps (RSS)

    Colaborou Mauricio Abbade

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.