Os desafios de produção e de logística das vacinas na pandemia

Governo brasileiro informou que Índia não vetou exportação de doses de Oxford produzidas no país asiático. Vaivém evidencia as parcerias e acordos comerciais que tentam viabilizar a distribuição de imunizantes globalmente

Estamos com acesso livre temporariamente em todos os conteúdos como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos de assinatura. Assine o Nexo.

O governo brasileiro afirmou na terça-feira (5) que a Índia não vai vetar a exportação de duas milhões de doses da vacina da AstraZeneca e de Oxford produzidas no país asiático. O anúncio havia sido feito por um executivo de uma empresa indiana que tem a licença para fabricar o imunizante desenvolvido por instituições britânicas. A expectativa da Fiocruz, que comprou as doses, é recebê-las ainda em janeiro. Elas devem ajudar a antecipar a imunização no Brasil enquanto o laboratório se prepara para produzir a vacina localmente. O “Durma com essa” fala sobre a intrincada rede de parcerias e acordos entre farmacêuticas e laboratórios para garantir a produção global da vacina, e seus desafios de logística e distribuição. Também traz a participação do redator Cesar Gaglioni, que comenta as notícias falsas sobre o medicamento ivermectina, e do repórter especial João Paulo Charleaux, que trata da posse dos parlamentares na Assembleia Nacional da Venezuela.

Assine o podcast: Soundcloud | iTunes | Google | Spotify | Deezer | Outros apps (RSS)

Colaborou Mauricio Abbade

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.