Mais informalidade e incerteza: os dados de emprego no Brasil

Taxa de desocupação entre agosto e outubro foi de 14,3%, segundo IBGE, e atinge mais de 14 milhões de pessoas no país

Estamos com acesso livre temporariamente em todos os conteúdos como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos de assinatura. Assine o Nexo.

    A taxa de desemprego no trimestre encerrado em outubro foi de 14,3%, segundo a Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), divulgada pelo IBGE na terça-feira (29). Mais de 14 milhões de pessoas estavam desocupadas no período. Os dados trazem alguns sinais positivos, mas ainda estão longe de apontar para uma recuperação do mercado de trabalho na crise causada pela pandemia. O “Durma com essa” mostra que o aumento na ocupação foi puxado por vagas informais, algo que repete um fenômeno registrado após a recessão de 2014 a 2016. O programa traz ainda a participação da redatora Aline Pellegrini, que comenta a vacinação contra a covid-19 na América Latina.

    Assine o podcast: Soundcloud | iTunes | Google | Spotify | Deezer | Outros apps (RSS)

    Colaborou Mauricio Abbade

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.