Os testes de covid encalhados. E a reação do governo federal

Ministério da Saúde admite que 6,8 milhões de exames RT-PCR próximos da data de validade estão represados em armazém em Guarulhos. Gestão Bolsonaro atribui responsabilidade à inação de estados e municípios

Estamos com acesso livre temporariamente em todos os conteúdos como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos de assinatura. Assine o Nexo.

    O Ministério da Saúde admitiu nesta segunda-feira (23) que há 6,8 milhões de testes RT-PCR para detecção de covid-19 encalhados em um armazém federal em Guarulhos (SP). O governo atribui o represamento dos exames, que estão próximos da data de validade, à inação de estados e municípios. O “Durma com essa” explica a situação da testagem no país e como o episódio se insere na gestão da pandemia no Brasil. O programa traz também a participação do redator Marcelo Roubicek, que fala sobre a reação de investidores ao assassinato de João Alberto Silveira Freitas em um supermercado Carrefour em Porto Alegre, e o repórter especial João Paulo Charleaux, que comenta a crise na Guatemala.

    Colaborou Mauricio Abbade

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.