As escolas abertas na segunda onda de covid-19 na Europa

Países retomam medidas restritivas, mas mantêm aulas presenciais. Impacto educacional e efeitos sociais como violência doméstica são justificativas de governos

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte de nossos conteúdos são exclusivos para assinantes, mas esta seção é de acesso livre sempre. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

O governo da Escócia anunciou na terça-feira (17) que a região oeste do país será colocada em confinamento quase total por três semanas para tentar frear o contágio do novo coronavírus. A notícia ecoa o lockdown adotado no início de 2020, mas traz uma diferença: escolas e creches continuam abertas. Outros países europeus, como Alemanha, França e o resto do Reino Unido, também têm optado por manter as aulas presenciais durante a segunda onda da covid-19, enquanto determinam o fechamento de outras atividades. O “Durma com essa” fala sobre as justificativas dos governos para a decisão. O programa traz também participações do repórter especial João Paulo Charleaux, que conta quem é o novo presidente do Peru, e da redatora Isabela Cruz, que comenta a atuação do TSE na eleição de domingo (15).

Colaborou Mauricio Abbade

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.