O início dos testes do Pix. E a corrida pelo cadastro das chaves

Novo sistema de transferências digitais do Banco Central é disponibilizado para parcela restrita de usuários. Bancos e outras instituições financeiras correm para ganhar a preferência de clientes

Estamos com acesso livre temporariamente em todos os conteúdos como uma cortesia para você experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos de assinatura. Assine o Nexo.

    O Banco Central disponibilizou na terça-feira (3) a ferramenta digital de transferência de valores Pix para uso restrito por uma parcela dos usuários. A ideia é observar o funcionamento e fazer ajustes no sistema até que o mecanismo seja liberado para o público geral em 16 de novembro. O “Durma com essa” explica como o Pix se diferencia de outros modelos de transferência, o que são as chaves usadas no sistema e por que bancos e outras instituições financeiras querem cadastrar esses números. O programa traz ainda o repórter especial João Paulo Charleaux falando sobre as incertezas em torno da eleição americana de 2020 e o redator Cesar Gaglioni comentando um estudo do MIT que usa inteligência artificial para identificar a covid-19 pelo som da tosse.

    Material de referência:

    Cadastre-se na newsletter “Durma com essa”, o boletim diário noturno do Nexo que, além de trazer o podcast, apresenta os destaques da produção do jornal.

    Colaborou Mauricio Abbade

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.