Qual o papel da Anvisa na crise das vacinas aberta por Bolsonaro

Presidente da República diz que não vai comprar imunizante do Instituto Butantan nem se ele for aprovado por agência. Comando do órgão de vigilância sanitária promete decisão técnica

Presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antonio Barra Torres reafirmou nesta quinta-feira (22) que a análise para a aprovação das vacinas contra a covid-19 será feita de forma técnica, sem pressão política. A declaração ocorre em meio a uma crise aberta após o presidente Jair Bolsonaro desautorizar seu ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e dizer que não vai comprar o imunizante que vem sendo desenvolvido pelo Instituto Butantan, ligado ao governo paulista, e uma farmacêutica chinesa. O “Durma com essa” explica o pano de fundo da crise da vacina e mostra qual é o papel da Anvisa nessa discussão. O programa traz ainda o repórter especial João Paulo Charleaux comentando as declarações do papa Francisco sobre casais homossexuais e o redator Marcelo Roubicek falando sobre os 80 anos de Pelé.

Inscreva-se no festival “O Brasil em debate”, do Nexo + Nexo Políticas Públicas. São mesas, entrevistas e oficinas realizadas durante todo o mês de outubro. A participação é online e gratuita.

Aproveite e também se cadastre na newsletter “Durma com essa”, o novo boletim diário noturno do Nexo que, além de trazer o podcast, apresenta os destaques da produção do jornal.

Colaborou Mauricio Abbade

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.