O que é o direito ao esquecimento em debate no Supremo

Em julgamento sobre programa de televisão de 2004, corte vai analisar conceito pouco difundido no Brasil mas que ganha atenção com a internet

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte de nossos conteúdos são exclusivos para assinantes, mas esta seção é de acesso livre sempre. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

Um julgamento no Supremo Tribunal Federal previsto para quarta-feira (30) vai analisar o caso de familiares de uma mulher morta em 1958, que pedem indenização à TV Globo pela veiculação de um episódio do “Linha Direta” sobre o crime em 2004. Eles alegam que tinham o direito de não reviver a tragédia que foi tema do programa, e para isso pedem a aplicação do conceito de direito ao esquecimento. O termo, que teve origem na Europa, aparece hoje principalmente em discussões sobre a circulação de informações na internet. O “Durma com essa” explica a origem do direito ao esquecimento e o que está em jogo com o julgamento no Supremo. Traz também participações do redator Marcelo Roubicek, que fala sobre as acusações de contabilidade criativa do governo federal e o programa Renda Cidadã, e do repórter especial João Paulo Charleaux, que comenta o anúncio de aposentadoria do ex-presidente uruguaio José Mujica.

Na quinta-feira (1º), começa o festival O Brasil em Debate, do Nexo Jornal e do Nexo Políticas Públicas. A programação vai até o fim de outubro e é totalmente online e gratuita. Inscreva-se aqui.

Colaborou Mauricio Abbade

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.