O crescimento de assassinatos de negros em uma década

Dados do Atlas da Violência referentes aos anos de 2008 a 2018 mostram como os homicídios atingem a população de forma desigual

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    De 2008 a 2018, a taxa de homicídios de negros no Brasil cresceu 11,5%, enquanto a taxa de homicídios de não negros caiu 12,9%. Os dados são do Atlas da Violência, divulgado nesta quinta-feira (27) pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública e pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). O “Durma com essa” mostra como a dinâmica dos assassinatos dialoga com o racismo estrutural do país. O programa traz ainda o repórter especial João Paulo Charleaux comentando a ação de supremacistas brancos armados durante manifestações nos EUA e o repórter especial Camilo Rocha falando sobre os efeitos da covid-19 no sistema neurológico dos infectados. Assine o Nexo com planos exclusivos para ouvintes do “Durma com essa”.

    Assine o podcast: Spreaker | Apple Podcasts | Deezer | Google Podcasts | Spotify | Outros apps (RSS)

    Colaborou Laila Mouallem

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.