Como começar a ouvir bandas do movimento riot grrrl

Originada na década de 1990, cena punk feminista reverbera até hoje. Neste episódio do ‘Como começar’, participantes e fãs do movimento ajudam a refletir sobre seu legado

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte de nossos conteúdos são exclusivos para assinantes, mas esta seção é de acesso livre sempre. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Se hoje é comum que grandes artistas do pop compartilhem mensagens de empoderamento feminino, no início dos anos 1990 o cenário da música era bem diferente. Este episódio do ‘Como começar’, o podcast de cultura do Nexo, recupera a história de um movimento do punk rock feito por mulheres que levantou a bandeira do feminismo quando isso ainda não era tão recorrente nem seguro.

    Trata-se do riot grrrl, que tem suas origens na cidade de Olympia, capital do estado de Washington, nos Estados Unidos. Com letras contestadoras e uma estética que subvertia ideias tradicionais associadas à feminilidade, a influência dessa cena local se espalhou pelo mundo e deixou sua marca no mainstream.

    Para destrinchar o legado desse movimento e montar um roteiro introdutório de músicas indispensáveis, o Nexo conversou com:

    • Leticia Marques, cineasta e diretora do documentário “Faça você mesma”, sobre o riot grrrl brasileiro
    • Camila Puni, artista e pesquisadora de zines que já deu aulas na Universidade de Tulane em Nova Orleans, nos Estados Unidos, e participou de residência artística no LA Zine Fest, na Califórnia
    • Bah Lutz, vocalista da Bertha Lutz, banda de punk feminista de Belo Horizonte

    Músicas do programa

    • Bikini Kill – Double Dare Ya
    • Bratmobile – Cherry Bomb
    • Sleater-Kinney – Dig Me Out
    • Excuse 17 – Watchmaker
    • Team Dresch – Uncle Phranc
    • Dominatrix – Patriarchal Laws
    • Mercenárias – Inimigo
    • Mercenárias – Me perco
    • Bertha Lutz – Sangue negro
    • Bikini Kill – Rebel Girl
    • Bikini Kill – Feels Blind
    • Bikini Kill – Suck My Left One
    • Bikini Kill – I Like Fucking
    • Sleater-Kinney – I Wanna Be Your Joey Ramone
    • Sleater-Kinney – Let’s Call It Love
    • Bratmobile – Cool Schmool
    • Team Dresch – Fagetarian and Dyke
    • Team Dresch – Hate the Christian Right
    • Tamar-kali – Boot
    • Tamar-kali – Pearl
    • Dominatrix – No Make Up Tips
    • TPM – Racismo
    • Bulimia – Punk rock não é só pro seu namorado
    • Bertha Lutz – Preta gorda sapatão
    • Spice Girls – Wannabe
    • Pussy Riot – Make America Great Again
    • TPM – Noise rock brutal urso punkinho gralha

    Colaborou Laila Mouallem

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.