Por que o Brasil atrai testes de vacinas e remédios contra a covid

Dois imunizantes em estágio avançado de desenvolvimento usam voluntários brasileiros. Acordos também preveem a produção de substâncias em laboratórios locais

O laboratório israelense RedHill Biopharma anunciou na quarta-feira (22) que pediu autorização à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para conduzir testes clínicos no Brasil de um medicamento que trata sintomas graves da covid-19. O interesse se une ao de grupos de pesquisadores e empresas que testam vacinas contra a doença em voluntários brasileiros, como a da Universidade de Oxford, que será testada e produzida pela Fiocruz, e a da chinesa Sinovac, que chegou ao Brasil por meio de uma parceria com o Instituto Butantan. O “Durma com essa” de hoje trata de como o cenário de descontrole da pandemia torna o Brasil um local procurado para esse tipo de estudo. Além disso, o redator Cesar Gaglioni fala sobre a ordem do governo de Donald Trump para fechar um consulado chinês nos EUA.

Colaborou Laila Mouallem

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.