As mortes e os ferimentos em acidentes com armas de fogo

Com intervalo de um dia, adolescentes em São Paulo e Mato Grosso são vítimas de disparos acidentais de armamentos registrados para caça e tiro esportivo

Uma adolescente de 14 anos foi enterrada nesta segunda-feira (14) em Cuiabá, um dia após ter sido morta pelo disparo acidental de uma arma de fogo manuseada por uma amiga. O proprietário da arma tinha registro como atirador esportivo. No interior de São Paulo, um jovem também morreu por acidente em uma caçada no sábado (12), vítima de um tiro de uma espingarda legalizada. O “Durma com essa” fala sobre o aumento de armamentos legais no Brasil nos últimos anos, algo que se acentuou com a eleição de Jair Bolsonaro, e dos efeitos colaterais desse fenômeno. Traz também o redator Estêvão Bertoni falando sobre uma nova hipótese de imunidade de rebanho para o novo coronavírus.

Colaborou Laila Mouallem

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.