A dexametasona contra a covid-19: boa notícia e ceticismo

Pesquisadores britânicos anunciam resultados promissores para uso de corticoide em pacientes em estado grave, mas estudo completo ainda não foi divulgado

    Cientistas da Universidade de Oxford anunciaram na terça-feira (16) que o corticoide dexametasona, um medicamento barato e de fácil acesso, ajudou a reduzir de 40% para 28% o risco de morte entre os pacientes com covid-19 que precisam de respiradores mecânicos. Os resultados são parte de um estudo financiado pelo governo do Reino Unido, que afirmou que vai começar a incluir a droga no tratamento no sistema de saúde público. A boa notícia, no entanto, é baseada em um comunicado da instituição de ensino – o estudo completo ainda não foi publicado. Este episódio do “Durma com essa” trata do que se sabe sobre a eficácia da dexametasona contra a covid-19 e do ceticismo de alguns cientistas, que alertam para a importância da revisão por pares mesmo quando a urgência da pandemia leva pesquisadores a pularem etapas. O redator Marcelo Roubicek fala sobre a queda no comércio no mês de abril e o repórter especial João Paulo Charleaux comenta a explosão na Coreia do Norte que destruiu o prédio símbolo das negociações do país com a vizinha Coreia do Sul.

    Colaborou Laila Mouallem

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.