O cálculo ao se manifestar por uma causa e se expor à covid-19

No aniversário dos 31 anos do Massacre da Praça da Paz Celestial, manifestantes driblam medidas de isolamento social e fazem ato em Hong Kong. Protestos também geram aglomerações nos EUA, Europa e Brasil em meio à pandemia

Manifestantes driblaram medidas de isolamento social e se reuniram em memória aos 31 anos do Massacre da Praça da Paz Celestial nesta quinta-feira (4) em Hong Kong. A vigília ocorreu em meio à aprovação de uma lei que aumenta o controle da China sobre o território. Desde semana passada, manifestações contra o racismo varrem os EUA, após um homem negro ter sido assassinado por um policial branco. Protestos em solidariedade se expandiram para a Europa. No Brasil, apoiadores e opositores do presidente Jair Bolsonaro vão às ruas para se manifestar. O “Durma com essa” discute as razões pelas quais pessoas estão participando de aglomerações em meio à uma pandemia que já matou centenas de milhares de pessoas no mundo. Participa também o redator Estêvão Bertoni, que fala sobre os testes no Brasil de uma vacina contra o novo coronavírus.

Colaborou Natan Novelli Tu

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.