Sai Regina Duarte. Fica a ‘guerra cultural’ bolsonarista

Atriz deixa Secretaria Especial da Cultura depois de apenas dois meses e meio no cargo. Entenda o que está em jogo na visão do governo, independentemente de quem comanda a área

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte de nossos conteúdos são exclusivos para assinantes, mas esta seção é de acesso livre sempre. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

Regina Duarte deixou o comando da Secretaria Especial da Cultura do governo Jair Bolsonaro nesta quarta-feira (20), dois meses e meio após tomar posse. O presidente convidou o também ator Mario Frias para substituí-la. Sobre os vários nomes que já comandaram a pasta desde janeiro de 2019, há uma sombra constante: o projeto bolsonarista de promover uma “guerra cultural” no país. O “Durma com essa” explica o que está em jogo nessa ideia. Além de mudar nomes de seu governo, Bolsonaro também mudou o protocolo do uso da cloroquina no combate ao novo coronavírus. Esse é o tema da participação do redator Estêvão Bertoni no programa. O correspondente internacional João Paulo Charleaux comenta a solução para a pandemia prometida pelo governo de Madagascar, também sem comprovação científica: o uso de um chá.

Colaborou Laila Mouallem

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.