Materiais médicos: as disputas comerciais e o risco de faltar

Máscaras, luvas e outros equipamentos fundamentais para profissionais de saúde durante a pandemia estão em alta demanda em todo o mundo

    O Ministério da Saúde afirmou na quinta-feira (2) que poderá usar aviões da FAB (Força Aérea Brasileira) para buscar remessas de equipamentos hospitalares na China. Um dia antes, o ministro Luiz Henrique Mandetta já havia alertado da dificuldade de comprar produtos do país asiático, pela alta procura por governos como o dos Estados Unidos, que saiu na frente e enviou aeronaves para buscar toneladas de máscaras, luvas, termômetros e outros materiais. O “Durma com essa” de hoje trata dessas disputas comerciais e do risco de faltar equipamentos médicos para profissionais da saúde. O redator Marcelo Roubicek participa falando sobre a medida provisória que permite que empresas reduzam salários durante a crise, e o repórter especial João Paulo Charleaux comenta a reação de Paraguai e Argentina à forma como o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, encara a pandemia.

    Colaborou Laila Mouallem

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.