Ir direto ao conteúdo

A constituinte no Chile. E os resquícios da era Pinochet

Lei máxima do país é da época da ditadura militar. Em meio aos maiores protestos da história, governo agora aceita substituí-la

    Esta terça-feira (12) no Chile foi marcada por uma greve geral e protestos em diversas cidades. Já são mais de quatro semanas das maiores manifestações já feitas por chilenos, que reivindicam direitos sociais e mudanças profundas na estrutura política do país. No domingo (10), o governo do presidente Sebastián Piñera falou em abrir um processo para criar uma nova Constituição. E, na segunda-feira (11), o Congresso aprovou a realização de um plebiscito para consultar a população sobre uma Assembleia Constituinte. O “Durma com essa” explica o que está em jogo agora no Chile, que usa a Constituição elaborada em 1980 pela ditadura militar de Augusto Pinochet.

     

    Colaborou Natan Novelli Tu

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

    Mais recentes