O plano de escolas cívico-militares de Bolsonaro

Ao anunciar novo modelo para cerca de 200 colégios, presidente criticou a democratização do ensino brasileiro. Militarizar a educação era promessa de campanha

    O presidente Jair Bolsonaro lançou na quinta-feira (5) um plano para transformar 216 escolas públicas em colégios cívico-militares até 2023. No modelo, elas serão administradas por civis em parceria com militares da reserva, que vão atuar como tutores. Hoje há cerca de 200 escolas militares no Brasil, totalmente geridas pelas Forças Armadas ou por polícias militares. É um número pequeno frente aos 140 mil colégios públicos do país. No discurso em que anunciou o novo plano, Bolsonaro criticou a democratização da educação brasileira nos últimos anos, e defendeu a disciplina dos colégios militares. O “Durma com essa” mostra o que está incluído no plano do presidente e como é a educação militar hoje no país.

     

    Colaborou Laila Mouallem

     

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.