Os matizes do desemprego. E a precariedade das novas vagas

Dados do segundo trimestre registrados pela Pnad Contínua trazem detalhes da crise do trabalho pela qual passa o país

    A taxa de desemprego ora desce um pouco, ora sobe um pouco. O cenário é não melhora de forma significativa. Em alguns aspectos, piora. A quantidade de pessoas que busca trabalho há mais de dois anos cresce. A quantidade de pessoas que desiste de buscar uma ocupação, também. E como anda a qualidade do emprego de quem tem trabalho hoje no Brasil? Dados do segundo trimestre registrados pela Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) e divulgados nesta quinta-feira (15) trazem detalhes da crise do trabalho pela qual passa o pais. Ouça nesta edição do “Durma com essa”:

     
     

    Materiais de referência

    Colaborou Laila Mouallem

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.