O que Bolsonaro quer do futuro procurador-geral da República

Presidente está prestes a escolher nome que comandará Ministério Público Federal por dois anos

    Não é “apenas para combater corrupção”. Não pode ser “xiita ambiental”. Não pode atrapalhar o andamento de obras públicas. Não pode “supervalorizar” as minorias. Não pode ter estrelismo. Essas restrições ao perfil do futuro procurador-geral da República impostas por Jair Bolsonaro, repetidas nesta segunda-feira (12) a jornalistas. O presidente deve escolher o substituto de Raquel Dodge nos próximos dias. O “Durma com essa” traz um histórico de quem ocupou o cargo e como ele se tornou cada vez mais relevante nos rumos dos país. Ouça:

     

     
     

    Colaborou Laila Mouallem

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.