Por que os motoristas do Uber entraram em greve no mundo

Protestos contra condições precárias de trabalho acontecem às vésperas de abertura de capital da empresa na Bolsa de Nova York

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte dos nossos conteúdos são exclusivos para assinantes. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    Motoristas que trabalham com aplicativos como o Uber fizeram uma greve nesta quarta-feira (8). Os protestos haviam sido convocados nos Estados Unidos, mas ocorreram também em outros países, como Reino Unido, Austrália e Brasil. Na sexta-feira (10), o Uber deve vender cerca de 10% da empresa em leilão de ações na Bolsa de Valores de Nova York. Entenda neste “Durma com essa” quais as demandas dos motoristas e o impacto das empresas de aplicativos no mundo do trabalho.

    Assine o podcast: Spreaker | Apple Podcasts | Deezer | Google Podcasts | Spotify | Outros apps (RSS)

    Colaborou Laura Capelhuchnik

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.