Palocci vai para casa: de estrela petista a delator de Lula

Ex-ministro está na cadeia desde o fim de 2016. Mas, depois de firmar delação premiada, foi beneficiado com prisão domiciliar

O Nexo é um jornal independente sem publicidade financiado por assinaturas. A maior parte de nossos conteúdos são exclusivos para assinantes, mas esta seção é de acesso livre sempre. Aproveite para experimentar o jornal digital mais premiado do Brasil. Conheça nossos planos. Junte-se ao Nexo!

    O Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, decidiu nesta quarta-feira (28) mandar Antonio Palocci para casa. O político e ex-ministro que fazia parte da cúpula do PT estava preso pela Operação Lava Jato desde setembro de 2016, de forma preventiva. O benefício da prisão domiciliar vem depois de ele ter fechado uma delação premiada com a Polícia Federal. Entenda qual o caminho de Palocci até aqui: de um dos mais próximos homens de Luiz Inácio Lula da Silva à condenação em primeira instância por corrupção e delação de seus ex-companheiros. Ouça:

     

    Colaborou Laura Capelhuchnik

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.