A saída dos cubanos do programa Mais Médicos

Decisão é motivada por falas de Jair Bolsonaro tidas como ‘ameaçadoras e depreciativas’. Entenda a importância do atendimento nas cidades distantes dos grandes centros nas periferias urbanas

Nesta quarta-feira (14), o governo cubano anunciou que vai deixar de participar do programa Mais Médicos. A saída ocorre em reação a condições impostas pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, que questiona como o programa é aplicado, o sistema de pagamentos aos cubanos e a falta de exigência do exame Revalida. O “Durma com Essa” relembra as declarações de Bolsonaro antes e durante a campanha e analisa o impacto da saída cubana para o programa de saúde que leva atendimento médico a milhões de brasileiros.

 

Colaborou Laura Capelhuchnik e José Orenstein

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante? x

Entre aqui

Continue sua leitura

Inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: