Xin·ga·men·to

O “xingamento” é um brasileirismo da mesma idade de nossa República: nasceu em 1889. Quando assumiu o primeiro presidente, já tínhamos o xingamento para usar contra ele. Mas o substantivo deriva de um verbo mais antigo, “xingar”, datado do século 17, do quimbundo “xinga” no sentido de “insultar, ofender, blasfemar”. Esse deve ter sido traficado para cá no porão “negro, fundo/ infecto, apertado, imundo” dos navios, junto com escravizados angolanos que tinham todos os motivos do mundo para praguejar contra tudo e todos.

Sofia Mariutti é poeta e tradutora. Trabalhou como editora na Companhia das Letras entre 2012 e 2016. Em 2017, lançou pela Patuá a reunião de poemas “A orca no avião”, seu primeiro livro. Mestranda em literatura alemã pela USP, trabalha em 2019 na tradução da biografia de Franz Kafka para a editora Todavia.

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

Já é assinante?

Entre aqui

Exclusivo para assinantes

Tenha acesso a todo o nosso conteúdo, incluindo expressos, gráficos, colunistas, especiais, além de newsletters exclusivas com curadoria da redação. Apoie o jornalismo independente brasileiro de qualidade.
Assine o Nexo.