Ir direto ao conteúdo

Ques·tão

A questão é irmã da inquisição, do requerimento, da conquista e do quesito — todas palavras que remontam ao verbo latino “quaerere”, com o sentido primeiro de “procurar, buscar”. É irmã também do esquisito, aquele que foi “procurado com diligência” e é “distinto”.

Registrada desde o século 14 em português, pode ser uma pergunta, um tema de debate, ou uma dificuldade a ser resolvida. Seu coletivo é o questionário. Há toda uma questão em torno de sua pronúncia — se seria com “u” mudo ou pronunciado. O Volp (Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa) e o Houaiss registram as duas formas. Mas alguns críticos dizem que a pronúncia do “u”, que tem chamado atenção na boca do presidente, é pedante e não faz sentido, pois o “u” é mudo em “questionar”. Outros citam as pronúncias inglesa, italiana e espanhola para defender que o “u” deve ser sonoro (o francês fala contra esse argumento). “Pão ou pães, é questão de opiniães”, como diria Guimarães.

Com “u” mudo ou pronunciado, a palavra “questão” tem um lado sombrio. Em latim, o termo “quæstĭō” queria dizer também “interrogatório”, e aparecia por vezes atrelado à tortura, sentido que se preserva em uma das acepções do inglês “question”: “tortura como parte de uma investigação”. A “questão judaica” — o debate em torno da assimilação dos judeus aos Estados nacionais europeus, que surge com o iluminismo, segundo Hannah Arendt — tem como resposta, no século 20, a “solução final da questão judaica” arquitetada por Reinhard Heydrich: um eufemismo para o plano de extermínio em massa dos judeus.

Questão de Estado, questão de vida e de morte, questão vital. Questão de tempo, questão de ordem, questão de honra. Questão de humanidade, questão polêmica, questão econômica, questão ética, questão moral. Questão de gênero, questão de classe, questão indígena, questão racial. Questão da moradia, questão de saúde pública, questão amazônica, questão agrária, questão Palestina. A questão é quase sempre grande e grave — e soa como uma palavra no aumentativo. Ser ou não ser, eis a questão. A vida seria mais fácil se as questões fossem “questinhas”. 

Sofia Mariutti 

Os artigos publicados pelos colunistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam as ideias ou opiniões do Nexo.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

Mais recentes

Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!